domingo, 17 de abril de 2011

Bibliotecas da Espanha começam a emprestar livros em e-readers

Para tomar mil livros emprestados de uma biblioteca, o leitor precisa de, no mínimo, uma van. E, claro, muita lábia para convencer o bibliotecário. Mas, em 15 bibliotecas públicas do país, já não há mais tantas complicações. Basta uma tabuleta digital e um cartão de memória. É o começo do projeto aprovado em dezembro pelo Ministério da Cultura para que as bibliotecas públicas comecem a disponibilizar livros digitais.


O serviço funciona de forma parecida nas 15 bibliotecas onde já há o sistema. Depois de se registrar, o usuário recebe um e-reader repleto de livros eletrônicos e pode ficar com ele entre 15 e 45 dias. O ministério investiu 130 mil euros nas 15 bibliotecas para, entre outras coisas, a compra de 750 e-readers. Rogelio Blanco, diretor-geral da divisão de livros e arquivos do ministério, explicou que a pasta pretende expandir o serviço para todas as 54 bibliotecas públicas em um ano.

O número de e-readers e livros digitais no catálogo varia de acordo com a biblioteca. A de Cantabria começou a oferecer o serviço em 3 de janeiro com 41 e-readers, 184 livros eletrônicos carregados nos cartões e “um sucesso que não esperávamos”, diz a diretora Loreta Rodríguez.

Na biblioteca de Huelva, no entanto, o empréstimo eletrônico terá início em 21 de fevereiro, coincidindo com o seu décimo aniversário.

- Haverá 37 e-readers e 1.084 títulos – afirmou o diretor Antonio Gómez.

Até o final de fevereiro, 15 outras bibliotecas ganharão e-readers. Ainda não há um estudo oficial sobre a resposta do público, mas as bibliotecas consultadas afirmam que está sendo muito positiva

Um passo à frente, ainda que pequeno

“O Retrato de Dorian Gray”, “Don Quixote” e “A Ilíada”. O que falta, acima de tudo, é oferecer livros mais recentes. Questões de direitos autorais e a falta de um acordo com os distribuidores indicam, por enquanto, que isso vai demorar. Por enquanto, o catálogo de livros digitais é formado quase exclusivamente por obras clássicas, livres de direitos autorais.

- É uma maneira de preservá-los (os clássicos) para as gerações futuras – disse o americanos Peter Brantley, líder de um movimento que promove em todo o mundo o empréstimo de livros digitais.

Fonte: O Globo

Nota da autora do post: Enquanto isso, no Brasil, um blog sobre MPB da Maria Bethânia recebe R$ 1,3 milhão de reais do Ministério da Cultura. Ê Brasil.
Quero ir pra Espanha, quem vem comigo?

Um comentário:

  1. Que ótimo!!

    Quem sabe outros países não seguem o exemplo.

    ResponderExcluir

Falar você deve. Com você, o lado rosa da força estará.